19.1.13

FPM



387 cidades ficam sem repasse do fundo dos municípios 


Agência Estado
MARCELO G. RIBEIRO/JC
Ziulkoski afirma que quase todos os municípios têm alguma retenção
Ziulkoski afirma que quase todos os municípios têm alguma retenção

Trezentos e oitenta e sete cidades não receberam, no último dia 10, sequer um centavo de repasse da primeira parcela do ano do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), formado pelo dinheiro do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O Ministério da Fazenda reteve o dinheiro para pagamento de dívidas das prefeituras com a União, principalmente com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), segundo o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski. Em muitos casos, a retenção ocorreu em consequência de acordos de renegociação dos débitos com a autarquia assinados pelos prefeitos. Também foram retidas verbas relativas ao Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico (Fundeb), além de outras dívidas.

"Quase todos os municípios têm alguma retenção, porque 4.900 cidades com dívidas previdenciárias renegociaram e autorizaram reter", afirmou Ziulkoski, citando dado de 2010. O presidente da CNM criticou a medida. "O prefeito que tomou posse no dia 1º de janeiro já assumiu o cargo baleado. Está com o município enterrado, morto."

"Só que temos a receber da União R$ 30 bilhões, e ela não paga", afirmou Ziulkoski. Segundo ele, a suposta dívida da Federação com os municípios tem várias origens. Uma é devolução de cobranças indevidas de previdência sobre salários de prefeitos e vereadores - determinada em 1997 e derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2004. Outra é a retroatividade, segundo ele indevida, da cobrança de dívidas previdenciárias a dez anos (quando a lei determina no máximo cinco, explicou). Uma terceira é a compensação, a ser paga aos municípios, relativa a funcionários que antes de entrarem para os quadros das prefeituras com previdência própria eram da iniciativa privada e descontavam para o INSS.

O Ministério da Fazenda foi procurado pela reportagem para se pronunciar sobre o caso, mas até o início da noite não deu nenhuma informação.

2 comentários:

JOÃO DEL ROSSO disse...

O que já era discutível agora virou certeza, debatemos tanto sobre isso, tentando enfatizar para algumas pessoas sobre a falta de repasses e tanto se criticou o Prefeito Ernani sem razão nenhuma, agora tá claro, estão nos dando calote mesmo.As esferas de governo se dividem em : UNIÃO- recebe o bolo- ESTADO- entra com a faca e OS MUNICÍPIOS- pagam a conta, assim é difícil demais.

João Del Rosso

JOÃO DEL ROSSO disse...

O Prefeito Jorge Ernani, sempre deixou bem claro em suas explanações a população por meio de imprensa falada e escrita e em reuniões com o ASSISPREV que haviam atrasos por parte do governo, atrasos esses que eram de total relevância para a manutenção de um município. Precisamos nos informar mais sobre repasses que geralmente seguem a mesma regra, ou seja: UNIÃO: corta e come o bolo, O ESTADO: lava o prato e talheres, o MUNICÍPIO por sua vez paga a conta.

João Del Rosso